O Novo em em Barão Geraldo

O Novo em em Barão Geraldo

A visita do Partido Novo à Barão Geraldo

Hoje, 24 de outubro de 2020, a menos de um mês para as eleições, o Partido Novo programou uma visita à Barão Geraldo, o que me levou a pesquisar o nome do local. Fomos na feirinha do Coco.

Descobri que o nome do distrito de Campinas é devido a Geraldo Ribeiro de Souza Rezende, que recebeu o título de Barão de Iporanga por decreto de 19 de junho de 1889, assinado pela Sua Majestade Imperial D. Pedro II, tendo mudado, a seu pedido, para Barão Geraldo de Rezende.

O Barão criou uma ferrovia ligando o local à Campinas, chamada Companhia Carril Agrícola Funilense, fundada em 24 de Agosto de 1.890, sendo o Barão Geraldo de Rezende como primeiro presidente da Companhia.  Operou até 1962 quando foi absolvida pela Estrada de Ferro Sorocabana.

Eu sou Carlos Daniel Coradi, nasci em 1937 e estou com 83 anos, firme em minha campanha politica à vereança de Campinas pelo Partido NOVO. Acabei de chegar de uma campanha de panfletagem na rua, onde entreguei 200 cartões de visita que mencionam meu nome de urna, Mestre Coradi e meu numero de urna, 30083, candidato pelo Partido NOVO.

Como o Partido NOVO não recebe dinheiro dos fundos políticos, eu preciso captar recursos da Campanha eleitoral usando a vaquinha, que é 100% legal.

Contribua acessando https://queroapoiar.com.br/coradi

barão gelado campinas
barão geraldo campinas

Contribua com minha Campanha

O NOVO não usa dinheiro público para financiar campanhas eleitorais. Você pode ajudar sim, a partir de R$10.
Sem seu apoio financeiro, será muito difícil combater a velha política, combater a corrupção e apoiar os idosos de Campinas!

LOGO QUERO APOIAR

 

TAGS:

#carlosdanielcoradi #mestrecoradi #candidatoàvereançadecampinas #partidonovo #idosos

Carlos Daniel Coradi

Carlos Daniel Coradi

Sou Carlos Daniel Coradi, Engenheiro e Mestre em Administração, especializado em atender clientes ricos e organizar seus escritórios de “Family Office” em apartados dos seus negócios empresariais, de modo a segregar as duas naturezas. Sou também especializado em Reorganização de Empresas, Atendo o Brasil todo à distância ou pessoalmente, se for o caso. Contatos, e-mail c.coradi@efc.com.br, whatsApp +55 11 986 12 12 64, skype coradi 51. Veja meus artigos em www.carloscoradi.com.br

PERSPECTIVAS PARA 2020

PERSPECTIVAS PARA 2020

Em todo inicio de ano, desde que publico o “Opinião” semanal, tenho tentado reproduzir as predições dos especialistas para o ano que chega.

Nesse fim de semana, ouvi o programa da Globo News, onde Renata Lo Prete reuniu os economistas Eduardo Giannetti, Guilherme Tinoco e Armando Castellar para examinar a situação financeira do país e entender de que forma a tensão internacional, a ameaça de guerra, a situação da Argentina e também os problemas internos podem afetar o Brasil.

Assistindo o programa, tomei notas dos pontos principais, que comento a seguir. A entrevista pode ser ouvida abaixo

Desse grupo, conheço apenas Eduardo Gianetti, um estudioso notável, que acompanho a muito tempo. Ele basicamente diz que o ano de 2020 já está definido quanto ao crescimento, que deverá ficar dentro da “recuperação cíclica”. O Brasil esteve na “UTI”, foi para a convalescência mas não saiu dela, ainda. “O choque político foi muito forte, um presidente foi preso (Temer) outro foi esfaqueado (Bolsonaro)”.

“Temos que sair da recuperação cíclica e caminhar para o crescimento sustentável”.

 Mas acrescenta que “o Brasil tem uma grande capacidade ociosa, possui quatro milhões de profissionais com curso superior desempregados, o país daqui há um ano poderá se aproximar do pleno emprego”, “as oportunidades estão ai, em áreas como geração de energia, portos, rodovias, ferrovias, muitos setores”.

E então conclui: “ a variável é o investimento do setor privado, o qual, por sua vez, precisa de segurança jurídica”; “na minha hierarquia, a reforma tributária é a primeira (à prover tal segurança jurídica), basta ver o que tem acontecido com quebras de contratos (cita o caso da Linha Amarela do Rio de Janeiro).

Digo eu: O Economista Eduardo Gianetti quis se referir ao fato de que o Prefeito do Rio de Janeiro rompeu o contrato com a concessionaria da Linha Amarela e mandou derrubar o Pedágio. Vide o link da Folha de São Paulo, com a noticia.

Sobre esse tema, uma pesquisa na Internet apurou que:

Crime de responsabilidade

Por ordenar a destruição da praça de pedágio da Linha Amarela e encampar sua concessão sem o devido processo legal e prévia indenização e desrespeitando decisão judicial, o prefeito Marcelo Crivella pode responder pelo delito de dano, ato de improbidade administrativa e crime de responsabilidade, o que pode levar ao seu impeachment.(1)Fonte, https://www.conjur.com.br/2019-nov-12/prefeitura-rio-recorre-justica-encampar-linha-amarela

Digo eu: Eduardo Gianetti se referiu também à quebra de contrato no Estado de Goiás, onde a Assembleia aprovou tal quebra entre o Governo Estadual e a ENEL, que alega ser inconstitucional a anulação do contrato. (2)Fonte: http://jaraguanoticia.com.br/deputados-aprovam-quebra-de-contrato-do-estado-com-a-enel/

O economista Guilherme Tinoco diz que o crescimento da economia para o quarto trimestre de 2019 será de 06%, valor que anualizado, dará mais de 2%, e esse ritmo tende a se manter. E não espera nada maior, pois é preciso considerar que o carnaval esse ano será no fim de fevereiro (ou seja, dois meses perdidos), o ano de 2020 é ano de eleições municipais, e o saldo de 2019 (a reforma da Previdência) provavelmente não irá se repetir.

Digo eu: o item que está mais evidente no Congresso é a reforma tributária, que é extremamente complexa, envolvendo a intricada questão do ICMS dos Estados, item de receita que os Governadores não querem perder. Será uma verdadeira batalha!

O economista Armando Castelar diz que 2020 será um ano bom, mas será preciso explicar para a sociedade o que nesse ano precisa ser feito.

Renata Lo Prete chama a atenção para um ponto importante: “o Brasil não está mais na UTI, está saindo da convalescência, precisa direcionar a massa de dinheiro resultante da queda dos juros, encontrar um caminho saudável para aplicar tal massa”.

Digo eu: essa massa resultante da queda da inflação e consequentemente da queda da Taxa SELIC está com os bancos e om as fundações, Family Office, etc. cabe ao governo os atrair para as privatizações e para os grandes projetos de infra-estrutura (rodovias, ferrovias, saneamento, portos, etc).

Notas explicativas:(3)Meus seguidores no Linkdlin: acesse https://www.linkedin.com/in/carlos-daniel-coradi-684b8618/detail/recent-activity/posts/ e (4)Sobre Princípios do Partido Novo, acesse https://novo.org.br/nossos-valores/ ao qual aderi recentemente

Carlos Daniel Coradi

Carlos Daniel Coradi

Sou Carlos Daniel Coradi, Engenheiro e Mestre em Administração, especializado em atender clientes ricos e organizar seus escritórios de “Family Office” em apartados dos seus negócios empresariais, de modo a segregar as duas naturezas. Sou também especializado em Reorganização de Empresas, Atendo o Brasil todo à distância ou pessoalmente, se for o caso. Contatos, e-mail c.coradi@efc.com.br, whatsApp +55 11 986 12 12 64, skype coradi 51. Veja meus artigos em www.carloscoradi.com.br